Quando o Estado vira as costas para o seu povo,  o que podemos esperar dele? Esta é a sensação tenho quando  relembro a tragédia na  Barragem de Algodões,  que  no dia  27  de maio completou  5 anos, do rompimento da parede da barragem, que  pode ser considerada a maior tragédia do Estado, pela sua dimensão social, econômica e princialmente o drama sem fim que as famílias da região sofrem até hoje.

Depois de ler atentamente as matérias do jornalista Mussoline Guedes, publicadas no jornal Diário do Povo. Todo o caso volta a tona. Não bastou relembrar as  nove mortes  e o drama das 1.200 famílias que perderam tudo.

Vem a tona um outro aspecto tão cruel, a forma como Estado  do Piauí trata a questão. Simplesmente virou as costas para comunidade que foi varrida do mapa  no município de Cocal.  Wellington Dias e  Wilson Martins eram governadores e simplesmente deixaram o problema de lado, ou melhor deram as costas, utilizando a tática de desconhecer  o fato.

Nesta  lógica cruel o Estado, fez o  pior, deu a falsa esperança aos 7 mil moradores da região que sobreviveram tragédia; o Governo fez que iria dar assistência. E deu, mas apenas quando os holofotes de todo o país estavam voltados para cá .

Para comprovar isso basta ir a Cocal e ver como vivem hoje as famílias, desemparadas, recebendo  uma “pensão” de R$ 268,00 (em alguns casos), sem qualquer perspectiva para o futuro. Hoje o moradores esperam a uma indenização e pelo menos o reparo financeiro do Estado. Eles conseguiram uma vitória na Justiça. Mas ainda falta muito para eles.

A culpa do rompimento da Barragem de Algodões  é do Estado que novamente volta a cometer outro crime, o de abandono das vítimas. O Estado deve pedir desculpas a população de Cocal, os ex-governadores devem pedir desculpas ao povo de Cocal.

O primeiro reparo seria admitir o erro e depois atender as necessidades das 7 mil vitimas do Estado que ainda estão na região

Anúncios

Um comentário em “Quando o Estado vira as costas

  1. De fato é vergonhoso o que o Estado e os dois então governadores à época fizeram com aquelas pessoas, renegando o direito a serem assistidas e justiçadas. E mais vergonhosa a decisão da Justiça Piauiense em indenizar em R$150 mil essas pessoas. Dinheiro nenhum trará os mortos à vida ou apagará aquela horrenda lembrança. Entretanto, acredito que uma pensão seria no mínimo mais decente, além do cumprimento da CF fazendo valer as políticas públicas de saúde, assistencia social, educação, segurança, enfim, o básico que é direito de todo. Mas isso sou eu sonhando, apenas sonhando; infelizmente.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s