Foto site GP1

As declarações dadas hoje (12) pelo governador Wellington Dias e pelo líder do Governo na Assembleia o deputado Francisco Limma (PT), como  resposta do Governo a Operação Itaorna, mostrou como reage quem está no poder e é investigado. A operação, que apura fraudes em licitações é a terceira operação policial de combate a corrupção que atinge diretamente o Governo do Estado. E isso incomodou e muito Wellington Dias.

A Operação Itaorna, deflagrada pelo Tribunal de Contas do Estado, Polícia Rodoviária Federal e Ministério Público Estadual,  nesta quarta(12), investiga supostas fraudes em licitações nas secretarias de Turismo e na  secretaria de Desenvolvimento Rural, no Instituto de Desenvolvimento do Piauí (Idepi), e na Coordenadoria de Desenvolvimento Social e Lazer e Coordenadoria de Combate à Pobreza Rural. As fraudes investigadas podem ter gerado um prejuízo aos cofres públicos pode chegar a mais de R$ 13 milhões

Estes órgãos onde as licitações estão sob investigação de fraude são ligados aos deputados Francisco Limma (PT), Georgiano Neto (PSD), Flávio Nogueira Filho (PDT) e João Mádison (MDB).

Em entrevista a TV Cidade Verde veio a primeira resposta, o deputado Francisco Limma afirmou que as operações tem um sentido político. E na entrevista deputado chegou a sugerir que os membros dos órgãos de controle, mais especificamente do Tribunal de Contas do Estado, que tem parentes de primeiro grau concorrendo as eleições deveriam se afasta de suas funções. O deputado Limma não citou nomes mas o recado foi para a conselheira Lilian Martins (esposa de Wilson Martins – candidato ao Senado), Luciano Nunes (pai o candidato ao Governo Luciano Nunes Filho) e acabou atingindo também o conselheiro Kleber Eulálio (Pai do candidato a deputado Severo Eulálio). Resta saber se o deputado Limma vai ter coragem de levar esta proposição para Assembleia e criar um regramento novo para o TCE.

O governador Wellington Dias  afirmou que a operação caracterizou abuso de autoridade. Ele foi mais além e sugeriu uma reunião de emergência da bancada para tratar uma ação para a aprovação da lei de Abuso de Autoridade. Para o governador  que tem conviver com as mancadas de seus assessores e aliados políticos vale mais correr contra o tempo e endurecer  lei  para dificultar as investigação dos órgãos de controle. Como o governador não explica bem suas ideias, ele não frisou se vai tratar com a bancada federal,  ou vai fazer uma reunião com o seus deputados estaduais.

O Wellington Dias  na versão 2018 quer  mobilizar a classe política contra que investiga. Um comportamento completamente diferente do Wellington Dias versão 1995, quando era deputado estadual  promoveu e concluiu a primeira  Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI no Piauí que investigou  os desmandos no Governo de Mão Santa.

 

Anúncios

Um comentário em “Como resposta a Operação Itaorna, Governo quer Lei contra Abuso de Autoridade e o afastamento de membros do TCE

  1. O seguinte. Essa investigação teve início em 2016(?). Pra gente ver como é tartaruga. 2016, foi início do governo de ? Só agora resolve o MPPI. De repente, agora acha indícios de 2016? Faziam o que? O que vocês faziam? Tomar cafezinhos e lanches?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s